No Dia Nacional de Combate à Hipertensão, Unimed Maringá dá dicas de prevenção

Nesta quinta-feira (26), Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão, a cooperativa alerta que a hipertensão, conhecida como pressão alta, é uma doença grave, mas pode ser prevenida e controlada de forma eficaz. As estatísticas apontam para uma população mundial de 10 milhões de pessoas hipertensas.

Quem não quer engrossar esses números, tem que ter cuidados como: não fumar, moderar no consumo de álcool, fazer consultas e exames de rotina. Isso é fácil para quem decide eleger a saúde como prioridade de vida.

O médico especialista em Medicina de Família, Juliano Kazuo Yoshizawa, alerta que a identificação sem ajuda médica não é tão simples, porque na maioria dos casos a pressão alta age de forma silenciosa. “Somente um profissional de saúdepode diagnosticar esses pacientes”, aconselha.

Alguns sintomas podem servir de alerta. Quando um indivíduo apresenta hipertensão arterial grave ou prolongada e não trata, ele pode ter dores de cabeça, vômito, dispneia ou falta de ar, agitação e visão borrada decorrente de lesões que afetam o cérebro, os olhos, o coração e os rins.

Yoshizawa reforça a importância do sono reparador como fator para evitar hipertensão e para controle da doença sem uso de medicamentos. “As pessoas não costumam dar muita atenção a isso, mas a qualidade do sono é importante na prevenção da doença”.

O controle da hipertensão também é feito com medicamentos, mediante prescrição e acompanhamento médico. “É muito comum o paciente descobrir que é hipertenso numa consulta, começa a tomar o medicamento e nunca mais volta para acompanhamento, o que torna difícil o controle e orientações”.

A chance de modificar um diagnóstico de pressão alta é uma dúvida comum entre os pacientes. “A maioria dos casos de hipertensão é primário e pode ter controle por um longo tempo com atividade física regular, sem fumar ou ingerir álcool, dormir bem e emagrecer, em caso de pacientes com sobrepeso e obesos”, diz.

As complicações

Entre outras consequências graves, o paciente hipertenso sem tratamento pode sofrer um acidente cardiovascular (AVC), pode desenvolver insuficiência renal crônica ou arritmia cardíaca por atrofia do músculo do coração.