Unimed Maringá alerta sobre prevenção contra gripe influenza

No primeiro trimestre deste ano, a Secretaria de Saúde do Paraná confirmou 11 casos de gripe influenza, sendo cinco da influenza B, quatro da H3N2 e dois da H1N1. Até 19 de março também foram registrados dois óbitos relacionados aos subtipos H1N1 e H3N2, sendo que uma das vítimas estava na faixa etária de 20 a 29 anos e a outra tinha mais de 60 anos. Os números causam preocupação e, por isso, a Unimed Maringá alerta sobre a importância da prevenção contra a doença.

De acordo com o médico infectologista José Ricardo Colleti Dias, o primeiro passo para a prevenção é a vacina. Aplicada em dose única e disponível pelo Sistema Único de Saúde para determinados grupos, a imunização é respaldada mundialmente e protege contra alguns subtipos de vírus causadores da gripe.  “Apesar disso, circulam entre as pessoas alguns mitos relacionados às vacinas, porém, é fundamental esclarecer que o vírus aplicado está inativo, e mesmo que cause alguns sintomas desagradáveis, confere proteção a quem recebe,” esclarece.

Crianças entre 6 meses e 5 anos; gestantes; profissionais de saúde; indígenas; pessoas com 60 anos ou mais; presidiários; funcionários do sistema prisional; professores da rede pública e privada; portadores de doenças crônicas não transmissíveis; e pessoas com condições clínicas especiais – como doenças crônicas no sistema respiratório, cardíaco, neurológico, diabéticos, entre outros têm prioridade para receber a dose do sistema público.

         Tendo em vista que a influenza é uma doença transmitida de pessoa a pessoa, principalmente por meio de tosse, espirro ou contato com a secreção de indivíduos infectados e objetos contaminados, a Unimed Maringá ressalta medidas simples que podem usadas por todas as pessoas, vacinadas ou não, para prevenir a doença. Confira no quadro abaixo.

Medidas preventivas

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabão, especialmente depois de tossir ou espirrar, ao chegar da rua e após tocar objetos;
  • Não compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal;
  • Ao tossir ou espirrar, cubra nariz e boca com um lenço descartável ou com o braço;
  • Não use medicamentos sem orientação médica. A automedicação pode ser prejudicial à saúde; quando estiver com gripe, evite ambientes fechados e com aglomeração de pessoas;
  • Limpe as superfícies com álcool;
  • Evite ir a hospitais e pronto atendimentos, exceto se estritamente necessário.

    O que fazer quando estiver com gripe ou resfriado:

  • Higiene respiratória – Etiqueta da tosse
  • Na rua: cubra o nariz e boca. Caso não tenha lenço, procure um local para lavar as mãos, ou se possível ande sempre com um frasco de álcool gel e o utilize após tocar mucosas e assoar o nariz;
  • Na escola ou no trabalho: se estiver com tosse e febre, evite sair de casa. Caso não seja possível, procure sempre seguir a etiqueta da tosse;
  • Lembre-se de ao tossir ou espirrar, tapar o nariz e boca com lenço para evitar disseminação de partículas respiratórias no ambiente;
  • Higienize sempre as mãos com água e sabão ou álcool gel.

Números

Embora haja medidas de controle, a influenza ainda é a causa de óbitos todos os anos no Paraná. Para se ter ideia, somente em 2016, a Secretaria da Saúde do Paraná registrou 1.208 pessoas infectadas, das quais 238 foram a óbito, sendo mais frequentes na faixa maior de 60 anos, com 34,9% (83) dos casos, seguido da faixa etária de 50 a 59 anos, com 29,8% (71) e 40 a 49 anos com 17,2% (41).

Em 2017, o número de casos confirmados caiu para 339. O número de óbitos também reduziu, com notificação de 52 casos, acometendo com maior frequência a faixa etária maior de 60 anos, com 76,9% (40) dos casos, seguida da faixa etária de 50 a 59 anos, com 7,7% (4) e 40 a 49 anos com 7,7% (4). Mesmo assim, os números são considerados elevados e, por isso, a importância de conscientizar a população sobre as medidas preventivas.