Na ACIM Amoêdo defende redução do Estado e renovação política

“O Estado tem dificultado muito e colocado obstáculos na vida dos brasileiros. Cerca de 55% das crianças saem do ensino fundamental sem saber o básico. As contas públicas não fecham e a máquina pública beneficia muito mais os políticos que os brasileiros”. A afirmação é do candidato à presidência da República pelo partido Novo, João Amoêdo, que esteve em Maringá no último sábado (dia 22) e se reuniu com empresários na sede da Associação Comercial e Empresarial de Maringá (ACIM).

O candidato defendeu a renovação política. “Em 2010 nunca tinha pensado em montar partido político ou ser candidato, mas queria fazer alguma coisa para melhorar a máquina pública. Mas só mudaríamos isso com novas pessoas, porque o sistema político brasileiro é feito para manter quem está lá. Só mudam os nomes, os sobrenomes dos ocupantes públicos são os mesmos. O compromisso do partido Novo é cortar custos e privilégios e fazer diferente. O caminho é difícil, mas minha frustração seria maior se não tentasse. Depois de cinco anos conseguimos registrar o partido. E nas últimas eleições os quatro vereadores eleitos pelo Novo cortaram 34 assessores”, declarou o candidato.

Ele explicou ainda que o partido abriu mão de receber recursos do fundo partidário e os candidatos assumiram compromisso de cortar metade das verbas de gabinete e metade dos assessores. “Entramos nesta eleição sabendo que seria difícil. São pouquíssimos dias de campanha. Como se tornar conhecido tendo cinco segundos de propaganda eleitoral na TV e sem usar dinheiro publico?”, falou ele, defendendo a renovação política. “Independentemente do resultado das urnas, o Novo vai sair com uma força política muito importante.

Estamos ganhando evolução sendo coerentes, sem fazer coligação, nem falando coisas que não pensamos. Somos fiéis ao compromisso de fazer diferente”, destacou. Ele também ressaltou que o partido não é ingênuo. &a mp;l dquo;O que a gente tem não é pureza, e sim princípios e valores. Estamos muito otimistas com o resultado destas eleições. É impressionante o número de pessoas que vem aos nossos eventos conhecer o Novo. Dias atrás um eleitor levou 18 horas para chegar ao local em que eu estava fazendo campanha”, destacou.

Amoêdo também se comprometeu a reduzir gastos públicos. “O Congresso Nacional gasta R$ 10,5 bilhões por ano. O orçamento anual do Graac, que oferece atendimento anual para 3,5 mil crianças e adolescentes com câncer, representa um mês de despesas do Congresso”, comparou.
Formado em Engenharia Civil e em Administração de Empresas, ele iniciou a carreira como trainee no Citibank, foi gerente e diretor executivo no Banco BBA-Creditansalt S.A, presidente da Fináustria CFI e Leasing, vice-presidente do Unibanco e foi conselheiro de administração do Itaú-BBA. É um dos fundadores do partido Novo.

Outros candidatos
Nesta segunda-feira (dia 24) a ACIM recebe mais quatro candidatos que pleiteiam cargos nestas eleições. São eles: o candidato à vice-presidência da República na chapa do empresário João Amoêdo (Novo), Christian Lohbauer, o candidato Alex Canziani (PTB), que está no quinto mandato de deputado federal e disputa uma das duas cadeiras do Paraná no Senado, o deputado federal Ricardo Barros (PP) que tenta a reeleição e a governadora Cida Borghetti (PP), que disputa o cargo de governador.
Desde o início da campanha eleitoral, a associação já recepcionou 13 candidatos a cargos públicos nas eleições de outubro deste ano. Os candidatos que quiserem apresentar propostas e plataformas eleitorais na ACIM devem seguir o regulamento, garantindo o mesmo tempo de exposição de projetos. Quem concorre ao cargo de presidente da República terá 40 minutos de apresentação de propostas e outros 20 minutos para responder aos questionamentos da plateia. No caso dos pleiteantes a governador do Paraná e senador, serão 30 minutos de exposição e 20 minutos de respostas a perguntas. Já os candidatos a deputado federal e estadual terão 15 minutos de exposição de projetos e 10 minutos para esclarecer dúvidas.