ACIM recebe Wilson Quinteiro e Flávio Arns

Na semana que antecede o primeiro turno, a Associação Comercial e Empresarial de Maringá (ACIM) recebeu o candidato a deputado estadual Wilson Quinteiro (PSDB) e o candidato a senador Flávio Arns (Rede), com seu suplente, Flávio Vicente. Com isso, a entidade recepcionou 19 candidatos que disputam cargos do executivo e legislativo.

    Em sua explanação, Quinteiro reforçou a opção pela vida pública e destacou que cumpre o terceiro mandato de deputado, além de ter sido diretor de operações do BRDE. “Enquanto estive lá, foi o maior volume de investimentos no Paraná em 56 anos”, destacou. Ele também lembrou que presid iu a Paraná Previdência, cujo orçamento é de R$ 15 bilhões, e destacou que vai trabalhar para que a indústria têxtil paranaense ganhe mais competitividade e para que as passagens aéreas sejam mais baratas no aeroporto de Maringá. “Precisamos de deputados com vínculo com esta região metropolitana, que tenham um conceito de servir e de cooperar com o modelo de união da região. Em Maringá tenho minhas atividades e tenho trabalhado o desenvolvimento da habitação regional”. Ele defendeu ainda a escola pública gratuita e que o país tenha mais instituições financeiras, para incentivar a concorrência.

    Em relação ao pedágio, ele disse que em virtude da investigação da Polícia Federal, a cobrança deveria ser suspensa. “Esse modelo do Paraná é equivocado. O melhor modelo, na minha opinião, seria que o estado cobrasse o pedágio, porque não haveria a questão do lucro e a corrupç ;ão, mas a concessão por meio de licitação é um modelo que parece que vai voltar, com taxa de retorno menor que a atual”. O candidato destacou que almeja fazer um eixo diferente de desenvolvimento regional, unindo Londrina e Maringá. “Talvez com aeroporto regional em Arapongas ou Apucarana. Captaríamos mais recursos internacionais para infraestrutura”, declarou.

    Na sequência foi a vez de Flávio Arns apresentar suas propostas. A abertura coube ao suplente, Flávio Vicente, que destacou que “a candidatura de Arns para o Senado é a única com representante de Maringá. Isso faz muita diferença. Votar no Flávio é colocar Maringá no Senado Federal”. Depois, Arns r eforçou que até dois meses atrás lecionava na Universidade Federal do Paraná, quando pediu licença para fazer a campanha eleitoral. “Não me candidatei na eleição anterior, mas houve um chamamento forte para que me candidatasse agora, particularmente pelas entidades do terceiro setor, como Apaes e hospitais, com quem mantenho um relacionamento forte. Este momento do Brasil exige a participação de todos nós”.

    Arns defendeu a reforma da previdência, a revisão de alguns pontos da reforma trabalhista, como a terceirização de atividades, e uma reforma administrativa. “Temos um Estado pesado. Precisamos eliminar milhares de cargos e termos uma estrutura enxuta. O orçamento do legislativo precisa ser diminuído significativamente”. Ele a inda defendeu a educação em período integral e a valorização dos professores. Questionado, o candidato disse ser contra o aborto e afirmou que o estatuto do desarmamento precisa ser revisto, “porque algumas regiões precisam de armas, mas isso significa liberação de arma de qualquer maneira”.