No Dia Nacional da Prevenção da Obesidade, nutricionista dá dicas para perda de peso

A briga com a balança faz parte da rotina de muita gente, por estética ou por questões relacionadas à saúde. O fato é que está mais difícil para as pessoas afirmarem que estão satisfeitas com o corpo. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), os índices de obesidade quase triplicaram desde 1975.

Segundo a nutricionista da Unimed Maringá, Camila Zanardi Loiola Pinho, a obesidade é uma doença crônica caracterizada por um desequilíbrio entre a ingestão e o gasto energético, resultando no acúmulo excessivo de gordura corporal. “Essa condição traz sérios riscos à saúde, como a redução da qualidade de vida e o aumento da probabilidade de desenvolver doenças, como diabetes, doenças cardiovasculares e renais, perda da visão, amputação de membros, asma, gordura no fígado e até alguns tipos de cânceres”.

De acordo com a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção de Doenças Crônicas, divulgada pelo Ministério da Saúde, quase 18,9% dos brasileiros sofrem com obesidade. Entre os jovens, a doença aumentou 110% de 2007 a 2017. O índice representa quase o dobro da média das demais faixas etárias. No mesmo período, o sobrepeso foi ampliado em cerca de 30%. Para alertar a população sobre os riscos da obesidade, o 11 de outubro foi instituído como Dia Nacional de Prevenção da Obesidade.

Para quem quer emagrecer, a nutricionista ressalta pontos fundamentais como disciplina, dedicação e persistência. “Emagrecer exige mudança no estilo de vida, que inclui hábitos alimentares saudáveis e a prática de exercícios físicos”, diz. A OMS recomenda 150 minutos de atividade regular semanal, que podem ser 30 minutos todos os dias de forma leve ou 20 minutos três vezes na semana de forma intensa.

Os exercícios mais indicados são os aeróbicos, como caminhada, corrida, natação e ciclismo de leve a moderada intensidade. A musculação também é recomendada, pois é considerada um exercício de fortalecimento, que prepara a musculatura para as atividades aeróbicas, além de prevenir lesões e ainda contribui para que o gasto energético seja maior.

Um plano alimentar saudável, com refeições adequadas antes, durante e depois da atividade física é um dos fatores responsáveis pelo emagrecimento, melhora da performance e recuperação muscular. “É importante destacar também que é fundamental buscar orientação profissional tanto na nutrição como na prática de exercícios. Esse acompanhamento faz com que a perda de peso seja mais assertiva”, explica a nutricionista.