Dermatologista alerta para prevenção e riscos da insolação

Os dias andam quentes em Maringá. De acordo com a Estação Climatológica da Universidade Estadual de Maringá, 17 de janeiro registrou a temperatura mais alta de 2019: 34,6ºC. Para quem trabalha exposto ao sol ou para quem está curtindo o verão na piscina ou na praia, os cuidados para lidar com as altas temperaturas e evitar insolação são os mesmos. O dermatologista da Unimed Maringá, Neudair Fernando Sanches, recomenda alguns cuidados:
  • Passar protetor solar pelo menos 15 minutos antes de ficar exposto ao sol e reaplicar a cada 2 horas, se estiver em contato com a água;
  • Beber muito líquido ao longo do dia;
  • Evitar exposição entre as 12 e às 16 horas, tentando abrigar-se em locais com sombra, frescos e arejados;
  • Usar chapéus ou bonés para proteger a cabeça e roupas largas e frescas para proteger o corpo contra queimaduras solares.
Segundo Sanches, apesar dos sintomas de insolação serem mais frequentes na praia ou na piscina (quando, em geral, as pessoas acabam abusando do sol), também podem acontecer quando se está andando pelas ruas e até na sombra, especialmente durante o verão. Por isso, é fundamental seguir as recomendações. “Quem não as leva a sério, pode sofrer consequências leves como pele vermelha, dor de cabeça, tontura e transpiração excessiva, e também graves, como o aumento das chances de ter queimaduras causadas pelo sol, desidratação, falhas no mecanismo da transpiração, febre, convulsões e até danos cerebrais”, diz.
É importante destacar que qualquer pessoa que ficar exposta por muito tempo ao sol ou a altas temperaturas está sujeita à insolação, porém, crianças e idosos precisam de atenção redobrada, já que têm maior dificuldade para controlar a temperatura corporal. “Outro alerta para os pais e responsáveis em relação às crianças é nunca deixá-las sozinhas no carro enquanto executam alguma tarefa. Isso é perigoso e pode inclusive levar a criança à morte”, explica o médico.
Caso um dos sintomas da insolação se manifeste, a orientação do especialista é que a pessoa se abrigue do sol em um lugar fresco e arejado, tome banho com água fria, aplique creme hidratante ou uma loção pós-sol sobre todo o corpo e beba água ou sucos de fruta para se hidratar. Se mesmo assim o mal-estar permanecer ou se a pessoa tiver vômitos intensos, é preciso procurar um hospital.