Nutricionista dá dicas para conservação de frutas picadas

 

A alimentação saudável é um dos principais pontos defendidos por médicos, nutricionistas e educadores físicos. A ingestão de frutas, verduras e legumes proporciona a absorvição de vitaminas e nutrientes fundamentais para o bem-estar e bom funcionamento do organismo. Mas para quem tem a rotina apertada, manter uma alimentação regrada pode ser um desafio.
Uma das alternativas para a rotina saudável, segundo a nutricionista Maisa Trevizan Nosse, da Unimed Maringá, é substituir lanches industrializados por frutas. “Além de ajudar na hidratação, por serem constituídas basicamente por água, as frutas atuam como antioxidantes, ajudam na memória e imunidade”, diz.
Segundo a nutricionista, o ideal é consumir, em média, três porções diariamente, por isso, levar frutas para o trabalho ajuda a manter a regularidade no consumo. “Trata-se de um alimento rico em fibras que ajuda na luta contra a obesidade, controla a hipertensão, previne doenças coronarianas e traz saciedade”.
Maisa explica que quem tem o costume de levar as frutas picadas e se incomoda quando elas ficam escuras, existem alguns truques. “A primeira dica é cortar as frutas mais perto possível do horário de sair de casa, o que prolonga a vida útil do alimento. Também é indicado usar faca de cerâmica, e manter as partes da fruta presas umas às outras ajuda a evitar a oxidação. Pode ser usado um elástico ou plástico filme para isso”. A última dica alia praticidade a um toque no sabor: pingar gotas de limão nas partes expostas da fruta. “A acidez do limão impede a atuação do polifenol, que causa a oxidação. Esse truque dá um toque cítrico na fruta e costuma deixá-la mais saborosa”.
Todas as frutas sofrem oxidação após serem manipuladas, mas geralmente as de polpa clara têm mais alteração na coloração. Essa reação é conhecida como escurecimento enzimático. Logo que as frutas são cortadas células são rompidas, o que faz com que a enzima que escurece as frutas seja liberada. A ação dessa enzima resulta na formação de melanina, ou seja, os pigmentos escuros. Se as frutas forem consumidas em poucas horas, o escurecimento interfere apenas na parte visual e não compromete o sabor e a qualidade do alimento. Entretanto, se passarem muitas horas, a fruta começa a perder as características, já que o corte, manipulação, contato com metal e luz aceleram o processo de apodrecimento.
Para quem se incomoda com o escurecimento ou não quer seguir as dicas de como evitá-lo, a alternativa é levar as frutas inteiras. “Quanto menor a manipulação, menores serão os riscos de perder vitaminas, e também se evita o risco de contaminação e desidratação da fruta”, explica a nutricionista.