Complexo Penitenciário de Maringá adota medidas de segurança contra o novo coronavírus

Complexo Penitenciário de Maringá adota medidas de segurança contra o novo coronavírus
Complexo Penitenciário de Maringá adota medidas de segurança contra o novo coronavírus

Para enfrentar a pandemia do novo coronavírus, Unidades Prisionais de Maringá e região adotaram uma série de medidas preventivas para resguardar a saúde de servidores e apenados. De acordo com o coordenador do Depen Regional de Maringá, Luciano Brito a primeira estratégia foi fazer um planejamento antecipado. “Nossa primeira reunião sobre o enfrentamento ao novo coronavírus foi no dia 14 de março, desde então adotamos vários protocolos para segurança de todos”, diz.
Para acessar as unidades todos os servidores passam por aferição de temperatura e têm à disposição todos os Equipamentos de Proteção Individual (EPI’s) recomendados pelos órgãos de saúde. Além disso, todos receberam orientações de enfermeiros sobre condutas de prevenção.
Os apenados que pertencem ao grupo de risco (acima de 60 anos ou que tenham alguma comorbidade como diabetes e/ou pressão alta), foram alocados em galerias separadas dos demais e estão sendo monitorados. Todos os detentos passaram por triagem de avaliação e receberam novos colchões e itens de higiene pessoal e em locais estratégicos das unidades, foram colocados dispensers com álcool gel 70% e cartazes informativos sobre os cuidados necessários.
Toda estrutura das unidades, assim como os veículos estão passando por constante desinfecção. “Corredores, grades, banheiros, compartimentos de segurança de viaturas, tudo está sendo higienizado com álcool 70% e hipoclorito de sódio”, afirma Brito. Além disso, foram suspensas as visitas e a entrega de sacolas com mantimentos por pelo menos 15 dias.
As medidas foram adotadas em todo o Complexo Penitenciário de Maringá que inclui a Penitenciária Estadual (PEM), Casa de Custódia (CCM), Colônia Penal Industrial (CPIM), Penitenciária de Cruzeiro do Oeste (Peco) e cadeias públicas de Maringá, Sarandi, Paranavaí, Umuarama, Cianorte e Guaíra, além das Cadeias Femininas de Astorga e Goioerê, Crimes Sexuais em Mandaguari e Nova Esperança e em outras 28 cadeias que têm a gestão compartilhada entre a Polícia Civil e o Departamento Penitenciário (Depen).
Para contribuir com o enfrentamento contra a Covid-19, alguns presos da Penitenciária Estadual de Maringá e de Cruzeiro do Oeste estão produzindo máscaras de proteção para os servidores do sistema penitenciário da região e para os detentos. Também estão sendo confeccionadas roupas hospitalares, toucas e jalecos que serão doadas para o Hospital Universitário de Maringá e para o Hospital Metropolitano de Sarandi. De acordo com Brito, por enquanto, não há casos suspeitos em nenhuma das unidades.