Sem abrir aos finais de semana, shoppings devem fazer novas demissões

shopping

Os shoppings de Maringá estão impedidos, por decreto municipal, de funcionar aos finais de semana, dias que representam metade do movimento e faturamento desse tipo de empreendimento. O fechamento dos cinemas, espaços de entretenimento e o horário menor de funcionamento das lojas nos dias de semana contribuem para agravar a situação econômica das lojas.

Segundo o Sindicato das Empresas Instaladas em Shoppings de Maringá (Sindesc), 1,9 mil profissionais foram demitidos das lojas desde março, e a situação deve se agravar nos próximos dias, por causa do vencimento da suspensão de contratos de trabalho, prevista em medida provisória do governo federal, e se não houver mudanças no cenário atual.

Com horário reduzido de funcionamento, esses estabelecimentos registram 40% do faturamento em relação às médias mensais dos últimos anos. A situação se repetiu no Dia das Mães e Páscoa, que têm grande importância no calendário de vendas do varejo. E agora, com estoque alto e faturamento reduzido, os lojistas temem prejuízo maior com o Dia dos Pais.

“É uma situação caótica, e se assim continuar, vai levar ao fechamento de outras centenas de empregos. Mais de cem lojas foram fechadas, e se não houver a abertura nos finais de semanas, outras dezenas fecharão as portas, o que vai agravar a situação, já que os empresários se juntaram aos milhares de desempregados da cidade”, diz o presidente do sindicato, Max Silvestrelli.

A situação é ainda pior para os lojistas de praça de alimentação, que em média têm registrado 20% do volume de vendas dos meses anteriores à pandemia. Para eles, a abertura até as 22 horas nos dias de semana e o funcionamento nos finais de semana é questão crucial para a sobrevivência. No Brasil, cerca de dois terços dos shoppings estão abrindo diariamente, incluindo nos finais de semana.